Rússia embarga carne suína de Santa Catarina

04/10/2013

Documento enviado ao Ministério da Agricultura pelo serviço russo indica presença de substância proibida nos animais

A partir do dia 2 de outubro, a Rússia deverá impor um embargo temporário às exportações catarinenses de carne suína. Isso porque o país enviou um ofício ao Ministério da Agricultura com uma lista restringindo 10 frigoríficos brasileiros, devido a um suposto descumprimento das exigências e normas sanitárias russas.

Dos frigoríficos listados pelo Serviço Federal de Fiscalização Veterinária e Fitossanitária da Rússia (Rosselkhoznadzor), nove são de carne bovina — seis da JBS, dois da Minerva e um da Marfrig. O Pamplona, de Rio do Sul, é o único exportador brasileiro de carne suína para o país.

Conforme a Companhia de Desenvolvimento Agrícola do Estado (Cidasc), o mercado russo é o terceiro mais importante para o Estado, atrás de Ucrânia e China. No ano passado, segundo a Secretaria de Comércio Exterior brasileira, Santa Catarina exportou quase 54 mil toneladas de carne suína para a Rússia, somando US$ 148,6 milhões.

Por meio de nota, o Ministério da Agricultura diz que a listagem trata-se de um relatório preliminar de uma inspeção russa no Brasil entre 30 de junho e 14 de julho de 2013. A nota esclarece também que o documento ainda precisa ser analisado pelos técnicos do ministério.

O diretor-executivo da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne Bovina (Abiec), Fernando Sampaio, adiantou que uma das causas para a restrição ao produto apontada pelo russos seria a presença de ractopamina nos animais.

— O que deu para perceber, num aspecto geral, é que eles citam bastante a questão do uso da ractopamina, mas há outras inconformidades — relatou.

A substância é geralmente adicionada à ração para fazer com que cresçam mais rápido e com menos gordura. Acredita-se que a substância possa provocar doenças e por isso o aditivo está proibido em 80 países, incluindo a Rússia. O presidente da Cidasc, Enori Barbieri, afirma que a indústria de SC sempre respeitou essa restrição.

Motivo seria o déficit na balança comercial

Depois de mais um embargo à carne suína catarinense, a Rússia tem sido vista por autoridades do setor no Estado como um mercado desleal.

O presidente da Cidasc, Enori Barbieri, lembra que Santa Catarina já exportou ao país um volume bem maior que o atual, de quase 54 mil toneladas. Segundo ele, a Rússia chegou a comprar 180 mil toneladas da carne suína catarinense em 2005.

Para Barbieri, o principal motivo para os embargos é o déficit da balança comercial: enquanto a Rússia compra US$ 8 bilhões ao ano do Brasil, o mercado brasileiro importa US$ 3 bilhões daquele país.

A restrição, segundo o diretor do Sindicarne, Ricardo Ávila, deixa o mercado instável. Ele orienta ainda a indústria catarinense a corrigir os erros indicados.

O uso de ractopamina na ração dos animais também foi apontado entre os motivos para uma restrição feita recentemente à carne do Rio Grande do Sul.

Procurado pela reportagem do Diário Catarinense, o frigorífico catarinense Pamplona, de Rio do Sul, preferiu não comentar sobre a restrição da Rússia.

DIÁRIO CATARINENSE 

Nós falamos com você!

Cadastre seus dados que um de nossos consultores retornará em breve.

CHAPECÓ - SC

(49) 3323.0656
(49) 9 9132.7355

Rua Moscou 150 E
Bairro Líder

SÃO LEOPOLDO - RS

(51) 3588.5500
(51) 3588.0076
(51) 9 9635.0081

Rua Tomaz Edison, 677
Bairro São João Batista

CURITIBA - PR

(41) 3023.0656
(41) 3022.0656
(41) 9 9206.0656

Rua Bartolomeu Lourenço de Gusmão, 2259
Bairro Boqueirão

TOLEDO - PR

(45) 3378.6020
(45) 9 9115.7251

Av. N. Sª de Fátima 455
Bairro Jardim Porto Alegre

JOINVILLE - SC

(47) 3207-1630

R. Pavão, 45
Bairro Costa e Silva
MARINGÁ - PR

(44) 3112.0253
(44) 9 9967.0376

Avenida das Torres, 2179,
Bairro Jardim Três Lagoas

SUDESTE

(11) 9 7294.3726

© Copyright 2017 Soma Sul. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Popup Agência Web
Tire suas dúvidas